Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Pimenteiras do Oeste



Abastecimento de Água  

O abastecimento de água do município de Pimenteiras do Oeste-RO é fornecido pela Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (CAERD), onde atende apenas a Sede municipal. De acordo com dados fornecidos pelo SNIS (2017), o índice de atendimento urbano de água é de 100% e o índice de atendimento total de 77,43%, onde abastece uma população total de 1.866 habitantes, com consumo médio per capta de 160,20 L/habitantes/dia. 

Esgotamento Sanitário   

O município de Pimenteiras Do Oeste-RO, não possui cobertura por sistema convencional de esgotamento sanitário, fazendo com que a população busque outras alternativas para escoar seus efluentes, as quais muitas vezes são formas inadequadas de lançamento. De acordo com o IBGE (2010) 72% da população total fazem uso de fossas rudimentares, 19% utilizam fossas sépticas e 9% despejam seus efluentes em outros escoadouros como valas, rios e lagos. 

Manejo de Águas Pluviais   

De acordo com censo demográfico do IBGE (2010), o município de Pimenteiras Do Oeste, não possui domicílios com entornos cobertos com bueiros e bocas de lobo, 18% dos domicílios estão localizados em ruas com sarjetas e meio fio e 21% estão localizados em ruas pavimentadas. 

Manejo de Resíduos Sólidos  

De acordo com o IBGE (2010), O município de Pimenteiras Do Oeste realiza coleta de resíduos de 94% dos domicílios urbanos e 50% do domicílios totais, 3% da população total enterram seus resíduos, 46% queimam e 1% utilizam outras formas de destinos como terrenos baldios.

 perfilSocioEconomicoPimenteiraDoOeste2 

Pimenteiras do Oeste

COMITÊ DE COORDENAÇÃO
NOME FUNÇÃO NO COMITÊ REPRESENTATIVIDADE
Rafael da Silva Souza Coordenador Titular Vereador
Euzito Brito Coordenador Suplente Vereador
Silvana Hubner Titular SEMUSA
Izabel Mendes de Souza Suplente Prefeitura - Conciliadora
Renato Pereira Titular Setor Comercial
Maria Aparecida Ramos Suplente Setor Comercial
Luiz Carlos Spohr Titular Vereador
Roberto Cavalcante Santos Suplente Vereador
Everton Nogueira de Menezes Titular SEMAPC
Adelma Nery Miranda Suplente SEMAPC
Valderlice Serrath Leite Titular Lider Comunitário
Marta Dourado Nery Suplente Líder Comunitário
Welington Dalbem dos Santos Titular SEMUSA
Francisco Serrath Leite Suplente SEMUSA
Luiz Fernando Ferreira Titular Líder Comunitário
Maria da Cruz Vargas Quintão Suplente SEAGRI
André Herreira Penha Titular Setor Comercial
João Márcio Pereira Suplente Setor Comercial
Silvana Natalina Picinin Titular SICOOB
Adão Leonardo Pereira Furlaneto Suplente SICOOB
Representante do Núcleo Intersetorial de Cooperação Técnica (NICT) Fundação Nacional de Saúde

 

COMITÊ EXECUTIVO
NOME FUNÇÃO NO COMITÊ REPRESENTATIVIDADE
Elisan Hermont Andrade Gomes Coordenador Titular SEMTUR
Rodrigo Sordi Moreira Coordenador Suplente GABINETE
Silvia Cristina Rodrigues Titular SEMFAP
Gelciane Patrícia Rosin Suplente SEMFAP
Paulo Américo Dotti Titular SEMEC
Marcos Antônio Suplente SEMEC
Eduardo Meira Vieira Titular SEMUSA
Móises Herreira Penha Suplente SEMUSA
Karen Fernanda de Araújo Reis Titular GABINETE
Sâmia Maria Carneiro de Abreu Suplente GABINETE
Jorge Fernandes Leite Titular SEAGRI
Daiana Alfaro de Souza Suplente Vereadora
Silvia Ortiz Garcia da Silva Titular SEMAPC
Izaque Maciel de Souza Suplente SEMAPC
José de Souza Cartacho Titular CAERD
Mauro César Costa Suplente SEMOSP
Sérgio Maurício de Solza Alves Titular GABINETE
Genivaldo Novais Ribeiro Suplente SEMTAS
Adnair Gomes de Freitas Titular SEMUSA
Sirley Rocha Suplente SEMUSA
Willian Batista Titular SEMFAP
Cleberson Luiz Riselo Suplente SEMFAP
Tatiana de Macedo Costa Representante de Engenharia

Equipe Técnica Permanente IFRO/TED/FUNASA/Nº08/2017

Gedeli Ferrazzo Representante de Estudos Sociais Equipe Técnica Permanente IFRO/TED/FUNASA/Nº08/2017

Os dados aqui apresentados se referem a pesquisa de campo desenvolvida junto à população do município, tendo como finalidade averiguar situação dos serviços de saneamento básico no município e de seus impactos nas condições de vida da população.

A coleta de dados in loco se deu por meio de questionários, com auxílio do aplicativo Interviewer. Houve a aplicação de três questionários socioeconômicos: um para levantamento de dados urbanos (com 70 a 100 perguntas), um para dados rurais/povos tradicionais (também com 70 a 100 perguntas) e um para ser aplicado aos catadores de resíduos sólidos (2 tópicos com aproximadamente 20 perguntas cada). As perguntas abrangiam o perfil residencial/socioeconômico e os quatro componentes do saneamento básico. O Esquema 1 mostra os marcadores processuais de levantamento de dados no Município, que caracteriza a concepção metodológica.

Esquema 1 — Concepção da coleta de dados

1°. O que foi coletado: Dados socioeconômicos das área rurais e urbanas.

2°. Com quem foi coletado: Residentes dos domicílios selecionados conforme o método de amostragem.

3°. Quem coletou: Equipe do Projeto Saber Viver, ACSs do Município e alunos do IFRO.

4°. Como foi coletado: Aplicaão de questionários com auxílio do aplicativo Interviewer.

5°. Análise dos dados com softwares estatísticos.

Fonte: Projeto Saber Viver(2019), IFRO/FUNASA(TED 08/2017).

Para que se pudesse realizar inferências sobre a população, garantindo-se representatividade factível e segura da realidade do cenário municipal, a quantificação de questionários necessários, bem como sua distribuição, se deu pelo emprego de método probabilístico, com emprego de amostragem por conglomerados. Inicialmente, define-se o tamanho da amostra no Município, por meio de cálculos que empregam a Fórmula 1.

Fórmula 1 - Fórmula para definição de amostras de levantamento do Município

Imagem formula

n = Tamanho da Amostra
Z = Abscissa da Normal Padrão
p = Estimativa da Proporção (sim = 50% = 0,5)
q = 1 – p (não = 50% = 0,5)
N = Tamanho da População
£ = Erro Amostral (máxima diferença a ser suportada)

Na fórmula, Z corresponde ao valor de 1,96, por ter sido aplicado nível de confiança de 95%. O tamanho da população foi pautado na projeção do IBGE para 2018, e o tamanho da amostra (separadamente entre população urbana e rural), dividido pelo número médio de moradores por Município, conforme a projeção. A Tabela 1 demonstra um exemplo ilustrativo do resultado após aplicação da fórmula:

Tabela 1 - Exemplo de amostragem de domicílios a serem visitados no Município

POPULAÇÃO (PROJEÇÃO DO IBGE PARA 2018)

AMOSTRA

MORADORES POR DOMICÍLIO

DOMICÍLIOS A VISITAR

Urbana

2.320

330

2,63

125

Rural

3.118

342

2,85

120

Fonte: Projeto Saber Viver (2019), IFRO/FUNASA (TED 08/2017). 

Após a obtenção do número de domicílios a serem visitados, foram sorteadas as residências em que seriam coletadas as informações requeridas por meio de questionários. Em cada domicílio foram registrados todos os moradores, garantindo-se a amostragem realizada pelo número de pessoas entrevistadas e não de domicílios.

Na área urbana, foram sorteadas quadras (inseridas nos setores/bairros) para definir a localização (foco) dos domicílios a serem visitados. Na área urbana, o procedimento inicial foi a escolha de um domicílio ao acaso pelo agente coletor na quadra sorteada. Realizada a entrevista, desconsiderava-se o próximo domicílio à direita, coletando-se no seguinte e assim por diante, até completar o volume de dez domicílios por quadra e o número total de domicílios do extrato.

Acesse os dados

Fim do conteúdo da página